[WebSérie] Sombras do Passado - Capítulo 12



Escolhas


“Alguns escolhem amar, outros não; alguns escolhem o agito de multidões, outros a tranqüila solidão. Cada um é livre para fazer a sua escolha, seja ela boa ou ruim, mas se foi a certa somente o futuro pode determinar”.

— Dona Verônica, embora já nos conheçamos é uma honra ser apresentada como alguém que poderá fazer parte da sua família — Renata tinha a ironia nos olhos, em seu tom de voz imperava a provocação.
— Poderá não, não irá fazer! — entusiasmado, Jonas deu um beijo no rosto da namorada, provocando ainda mais a ira da veterana estilista.
Suspirando profundamente, querendo encontrar forças para se controlar, Verônica deu um sorriso frio e mostrou estar simpática com aquilo:
— A honra é toda minha. Vamos entrar? Temos muito que conversar — ela não estava disposta a ter uma noite agradável com aquela mulher.
Durante todo o momento a senhora Morgan não tirava os olhos de sobre Renata, tinha a sensação de já conhecer aquela mulher, não em revistas de moda ou programas de TV, a sensação era de convivência, como se a sua concorrente já tivesse feito parte de sua vida.
— Mereço os parabéns, não mereço? — o rapaz fez sua pergunta à mãe —. Ela é uma ótima garota, a pessoa ideal para mim.
— Sim, meu filho, merece — Verônica mantinha seu olhar na moça —. Ou talvez ela mereça. Já contou a ela sobre todas as suas paixonites? Espero que dessa vez as coisas sejam diferentes e você sossegue.
— Mãe! Isso é coisa que se fale?
— Querido, ela tem o direito de saber! Aposto que a sua adorável namorada não gostaria de estar em algum lugar com você quando chegasse alguma soltinha de águas passadas arrastando as asas para o seu lado. Estou errada, querida?
— Acho que não... — Renata virou os olhos para o rapaz —. É claro que você já teria namorado antes de mim, mas não sabia que foram tantas.
— Foram muitas — a ardilosa mulher gargalhou —. Esse dá trabalho... Se você conseguir prendê-lo merece um prêmio!
— Mãe, já chega! — Jonas se irritou —. O importante é o agora, o que foi já foi.
— Desculpe, não está mais aqui quem falou — se fez de ofendida.
Pensativa, a moça abaixou seus olhos para o prato, entre os pensamentos que invadiam sua mente estava a dúvida da lealdade do namorado, até onde ele seria sincero? Tamanho questionamento a manteve calada por longos segundos até que Verônica interrompeu seu silêncio com uma delicada pergunta.
— Da mesma forma que quero o seu bem quero, também, o do meu filho então preciso saber do sentido do seu sentimento: seria essa aproximação por interesse?
— Agora você foi longe demais — o jovem consultor largou os talheres sobre a mesa, visivelmente irritado —. Não vou me importar com o seu gosto por esse namoro, não fiz esse jantar para que mostrasse suas opiniões, apenas queria que conhecesse a mulher que transformou o meu coração e que a recebesse como a namorada do seu filho! Não vou permitir que continue com suas provocações!
A estilista engoliu em seco, controlando sua vontade em expor tudo o que realmente pensava, mas precisava de cautela, ir contra o filho o afastaria e dificultaria muitas coisas.
— Se é essa a sua escolha...
Em uma tentativa de conquistar o território adversário Renata se mostrou compreensiva:
— Jonas, não se irrite tanto, eu entendo perfeitamente a sua mãe... Pesquisei um pouco sobre a história de tão vislumbre mulher, sua vida não foi fácil e a única pessoa que a resta é você, atitudes super protetoras são de se relevar — a mais velha era atenta a cada vírgula —. Além disso, somos concorrentes, é claro que poderia achar que me aproximei de você apenas para derrubá-la, o que eu garanto que não passa de um grave equívoco, não sou pessoa de jogar sujo.
— Fico contente em ouvir tudo isso — Verônica se espantou —, vejo que o meu filho tem feito uma ótima escolha.
— A melhor da minha vida! — o rapaz tinha um brilho no olhar —. Já que estamos entendidos vou eu mesmo pegar a sobremesa, garanto que ficará surpresa com os meus dotes culinários — Jonas deu um selinho na namorada.
Aproveitando os instantes que ficaria a sós com sua rival, a senhora Morgan declarou o que sentia:
— Que fique bem claro, não gostei de você. Esse seu discursinho barato não me engana.
— A única coisa que posso fazer é lamentar — a moça deu um sorriso provocador —. Nem eu e nem você queremos perdê-lo, ele nos ama do mesmo tanto, a primeira que vacilar o distancia, por isso meu conselho é: mantenha as aparências.
— Sabe que vou dificultar, não sabe?
— Nada que me aflija – Renata disse indiferente.
— Você não me conhece...
— Conheço bem mais do que imagina!
— Que maravilha! As mulheres da minha vida se entendendo! — Jonas voltou à mesa colocando um fim na conversa que poderia ser árdua.
— Sua mãe é amor, tem a quem puxar — Renata piscou para a estilista.
— Acho que me precipitei em ser tão ciumenta, sua namorada e eu seremos grandes amigas — Verônica encarava os olhos da moça dizendo o que realmente queria dizer pela linguagem do olhar.

As horas se passaram. Já em seu carro, preparada para partir, Renata agradeceu ao namorado pela noite que teve, afinal havia passado ao lado de quem realmente se importava com ela.
— Eu que agradeço pela sua presença, ela foi a mais especial.
— Disse isso para quantas? — o que ouvira ainda a incomodava, no olhar da moça existia certo ciúme.
Sorrindo, o rapaz deu a volta no carro e adentrou o mesmo sentando-se ao lado da namorada, no banco do carona. Pegando nas mãos de quem amava, Jonas colocou para fora suas verdadeiras palavras, saídas de um coração apaixonado:
— Podem ter existido muitas, não nego, mas nenhuma como você, nenhuma que despertou em mim a vontade de ter belas palavras a oferecer, nenhuma que despertou em mim o desejo de cuidar, de estar ao lado, de realmente amar. Você é única, não dê ouvidos ao que minha mãe disse, ela não consegue ler o meu coração.
Os olhos refletem os sentimentos da alma. A boca pode mentir, a língua enganar, mas os olhos sempre dirão a verdade... Felizes são aqueles que os observam com atenção, descobrem ali segredos nunca revelados, segredos do coração.
Renata conseguiu ver a verdade nos olhos do rapaz, sentiu em seu peito a total sinceridade que os rondava. Sua única atitude foi ceder um a beijo apaixonado, um beijo que aproximava as almas que se amavam.
— Já posso dizer que te amo — a moça sorriu para o rapaz.
— E eu ainda mais — Jonas se entregou a um abraço, para o abraço que ele desejava sempre encontrar.

Relembrando os detalhes da noite que teve, Verônica focou na frase que ouvira de Renata: “Conheço bem mais do que imagina”. Suas desconfianças começavam a nascer.
— Ela não pode ser a mesma Renata, não teria conseguido tanto sucesso... Mas, se for, fez a escolha errada em voltar, posso retribuir a visita mandando-a ao inferno!

[10 de outubro de 2016]
— Queria falar comigo? — Letícia foi até a sala da renomada estilista, atendendo ao pedido da mesma.
— Sente-se, quero que fique muito a vontade — Verônica, como de costume, observava o centro de São Paulo da sua luxuosa e enorme janela.
— Não podemos demorar muito, tenho uma sessão de fotos.
— Serei breve — a mulher se dirigiu à modelo —. Ainda sente alguma coisa pelo meu filho?
— Para dizer a verdade já superei. Vi que realmente não era amada da maneira como queria, longe dele me sinto melhor.
— Não sente não! — a estilista jogou alguns objetos que estavam sobre a mesa no chão, sua raiva despertava —. Escuta bem o que vou lhe dizer: a namorada de Jonas vem aí, você vai entrar na sala dele e quando ela aparecer irá beijá-lo. Preciso desenhar ou já entendeu?
— Eu não vou fazer isso! — a jovem se levantou bruscamente, espantada pelo absurdo do pedido —. Não quero prestar a papel de ridícula!
— Você vai! — Verônica pegou a modelo pelo braço lhe lançando um olhar fatal —. Lembre-se de que está aqui por minha causa, se não fizer o que mando arruíno a sua carreira e nem comercial de margarina você fará!
Assustada, Letícia acenou com a cabeça sua resposta, por causa do medo obedeceria a ordem daquela mulher.

— Entre! — Jonas ouviu alguém bater à sua porta.
— Podemos conversar? — Letícia percebeu o descontentamento do rapaz ao vê-lo, algo constrangedor.
— Não acho que tenhamos assunto.
— Acho que temos muito assunto — a modelo aproximou-se do rapaz seguindo o roteiro que Verônica ordenou —. Não sente minha falta?
— Não quero ser grosso com você então saia daqui por favor.
— Não posso, meu coração não deixa — a jovem se prendeu ao braço do consultor.
— Já estou namorando, Letícia, com a mulher que me faz feliz, então desista — Jonas tentou afastá-la, mas em vão.
— Desistir de você? Nunca! — naquele momento ela sentiu o celular vibrar no bolso da calça, era o sinal que a senhora Morgan daria quando Renata se aproximasse.
Letícia não queria fazer aquilo, mas não teve outra escolha que não fosse obedecer, ou seus sonhos nunca se transformariam em realidade. A modelo roubou o beijo do rapaz. Um beijo flagrado pela dona da Button Modas, um beijo arruinador.


Continua...
~~~~~~~~~
No próximo capítulo:

Uma correria tomou conta do lugar. Quanto mais sentia a aproximação do rapaz, mais a moça apertava os passos, tudo o que mais queria naquele momento era se livrar daquele que pensava amar. Com o calor das circunstâncias Renata teve seus olhos cegados, apenas procurava seu carro estacionado na avenida da Morgan Modas; tamanha distração provocou o seu acidente, um assustador acidente.

De segunda à sexta, às 19h30!

Comentários

Siga o blog pelo Instagram:

Postagens mais visitadas deste blog

"Amar é mudar a alma de casa"

A Brevidade da Vida

Aflições na Alma

Flores aos mortos

[Conto] Eternizados Pelo Amor